"Deus não será maior se o respeitas, mas tu serás maior se o servires. " Santo Agostinho

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

ANTIGO TESTAMENTO - PENTATEUCO

           O Antigo Testamento é uma coleção de 46 livros onde encontramos a história de Israel, o povo que Deus escolheu para com ele fazer uma aliança. 
           Mostra como esse povo se comportou em relação a Javé, e qual é o projeto que Deus quis realizar no meio da humanidade através desse povo. Israel foi um povo escolhido, diferente, justamente porque estava encarregado de realizar esse projeto de Deus. Esse projeto aparece bem claro nesses livros: considerar só Deus como o Absoluto, para que as relações entre as pessoas possam ser fraternas e ter como centro a liberdade e a vida. Vendo como Israel foi fiel ou não a esse projeto e como Deus agiu no meio dele, poderemos nos aproximar com mais compreensão da outra parte da Bíblia, o Novo Testamento.
           O Antigo Testamento está subdividido em 04 (quatro) partes: Pentateuco, Livros Históricos, Livros Sapienciais e Livros Proféticos. Agora vamos conhecer um pouco mais sobre cada uma destas partes e seus Livros, na ordem Bíblica. esta ordem dos livros não é histórica, mas lógica.

PENTATEUCO

Pentateuco é uma palavra derivada do grego e significa cinco livros. Essa palavra é usada para indicar os cinco primeiros livros da Bíblia. Os Judeus o chama de Torá, que significa Lei.
Nesses cinco livros encontramos histórias e leis que foram postas por escrito durante seis séculos, reformulando, adaptando e atualizando tradições antigas e criando novas. Tanto as histórias como as leis giram em torno de um centro: o ato libertador de Deus no êxodo, que é o ato fundante do povo de Israel.

1º Livro - GÊNESIS 

           Gênesis significa nascimento, origem. No livro podemos distinguir duas partes:
I Parte - Origem do mundo e da humanidade: Os dois primeiros capítulos narram a criação do mundo e do homem por Deus. São duas composições que procuram mostrar o lugar e a importância do homem e da mulher dentro do projeto de Deus: eles são o ponto mais alto e o centro de toda criação. Feitos à imagem e semelhança de Deus, possuem o dom da criatividade, da palavra e da liberdade. Os Capítulos 3-11 mostram a história dos homens dominada pelo mal e, ao mesmo tempo, amparada pela graça. Não se submetendo a Deus, o homem rompe a relação consigo mesmo, com o irmão, com a natureza e com a humanidade, reduzindo a história ao caos (dilúvio) e a sociedade a uma confusão (Babel).
Adão e Eva

Torre de Babel
Arca de Noé (Dilúvio)


II Parte - Origem do Povo de Deus: Nesta parte encontramos a história dos patriarcas, as raízes do povo que, dentro do mundo, será o portador da aliança entre Deus e a humanidade. O início da história do povo de Deus é marcado por um ato de fé no Deus que promete uma terra e uma descendência.  A promessa de Deus cria uma aspiração que vai pouco a pouco se realizando em meio a dificuldades e conflitos. A missão de Israel é anunciar e testemunhar o caminho que leva a humanidade a descobrir e viver o projeto de Deus: ter Deus como único Senhor, convier com as pessoas na fraternidade, e repartir as coisas criadas, que Deus deu a todos.
           Os grandes patriarcas que deram origem ao povo de Deus são:
ABRAÃO
           O primeiro dos patriarcas de Israel, nascido em Ur, chefe de um clã arameu, na Caldéia, que emigrou para Canaã. Um dos personagens mais importantes das religiões judaica, islâmica e cristã, pois representa para todas elas a transição da idolatria para a crença em um só Deus verdadeiro, e que segundo a Bíblia, no Gênesis, viveu cerca de 175 anos e foi o pai de Isaac. 
           Quando Abraão e Sara, sua esposa já eram anciãos, nasceu-lhes Isaac, o herdeiro das promessas divinas. Deus pôs à prova a fé do patriarca ordenando-lhe que sacrificasse Isaac, ao que Abraão obedeceu prontamente. Um anjo, no entanto, deteve a mão de Abraão e substituiu o menino por um cordeiro, enquanto Deus prometia novamente a Abraão uma descendência que se multiplicaria como as estrelas do céu e como a areia que está na beira do mar. 
           Abraão representa não apenas a origem de um povo eleito por Deus para renovar a humanidade, mas também o homem justo, profundamente fiel, cuja lealdade a Deus chegaria ao ponto de sacrificar o filho em obediência à ordem divina.

ISAAC


           Isaac casou-se com sua bela prima Rebeca, que foi sua única esposa. Ele orou insistentemente ao Senhor por sua mulher, porquanto era estéril; e o Senhor ouviu as suas orações. E o Senhor disse a Rebeca: Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas, e um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor (Gênesis 25;23). Rebeca assim, teve dois filhos, Jacó e Esaú. .




JACÓ

Esaú e Jacó
           Jacó, filho de Isaac e neto de Abraão, desde o ventre de sua mãe vivia em conflito com seu irmão Esaú "Quando chegou o dia do parto, Rebeca teve gêmeos. O primeiro saiu: era ruivo e peludo como um manto de pêlos, e lhe deram o nome de Esaú. Em seguida, saiu seu irmão, com a mão segurando o calcanhar de Esaú, e lhe deram o nome de Jacó." (Gn 25, 24-25)

           O filho mais velho Esaú era o favorito do pai e teria o direito às bênçãos de Deus por ser o primogênito. Mas após Jacó ter enganado seu pai, que era muito velho e estava cego, se apresentou a Isaac como fosse seu filho mais velho e o enganou recebendo assim a bênção no lugar de seu irmão Esaú. Logo após os dois brigaram e ao se separarem, Jacó, o favorito da mãe, ficou sendo o herdeiro da tradição hebraica. Esaú por sua vez, daria início à história dos povos árabes.
           Apesar de tudo, Deus amava a Jacó e tinha um plano, um propósito, para sua vida. Fazer dele uma grande nação, abençoá-lo, engrandecer seu nome e torná-lo uma benção. Para isso Deus precisava vencer a velha natureza de Jacó, o velho homem cheio de frustrações e mentiras precisava morrer! Haveria a necessidade de um confronto. Jacó seria confrontado em todos os aspectos de sua vida.
           Assim, um anjo aparece a Jacó e os dois passam toda a noite lutando: o bem x o mal, o amor x o ódio, a paz x a guerra, a vida x a morte. Deus toca na coxa de Jacó. Jacó não deixa o Anjo ir sem abençoá-lo... Neste momento Deus muda o nome de Jacó (enganador) por Israel(Príncipe de Deus) !!!


           Jacó apaixona-se por Raquel, a pede em casamento, mas é enganado por seu sogro, Labão, assim caba casando-se com Lia, irmã de Raquel. Após anos de escravidão na casa do sogro, finalmente consegue casar-se com Raquel. Da relação com as duas esposas e suas escravas, Jacó tem 12 (doze) filhos, que formarão as doze tribos de Israel: Rúben, Simeão, Levi, Judá, Dã, Neftali, Gad, Aser, Issacar, Zebulon, José e Benjamin.
           Destes talvez o mais conhecido seja José, que, por ser tido como o filho preferido de Jacó é vendido pelos irmãos, mas que ao fim se torna a salvação de todo o Egito e de sua família.


2º Livro - ÊXODO 

           A palavra Êxodo significa saída. O livro tem esse nome porque começa narrando como os hebreus saíram do Egito, onde eram escravos. O acontecimento se deu por volta do ano de 1250 A.C.
           A mensagem central é a revelação do nome de Deus verdadeiro: JAVÉ. O único Deus que ouve o clamor do povo oprimido e o liberta, para estabelecer com ele uma aliança e lhe dar leis que transformem as relações entre as pessoas. Daí surge uma comunidade em que são asseguradas vida, liberdade e dignidade.
           Essa aliança é afirmada em duas formas: princípios de vida (Decálogo) que orientam o povo para um ideal de sociedade, e leis (Código da Aliança) que têm por finalidade conduzir o povo a uma prática desse ideal nos vários contextos históricos.
           Moisés é um dos personagens bíblicos de grande destaque no Antigo Testamento. Sua importância está ligada à libertação do povo de Deus (os hebreus) da escravidão do Egito. Recebeu sua missão, libertar o povo de Deus da escravidão, ao aproximar-se da Sarça ardente, na qual o próprio Deus falou com ele.

Moisés e a sarça ardente


Travessia do Mar Vermelho
 

3º Livro - LEVÍTICO

           Levítico provém do nome Levi, a tribo de Israel que foi escolhida para exercer a função sacerdotal no meio do seu povo. Concorreram para a sua formação textos elaborados pelos sacerdotes através dos tempos: um ritual para os sacrifícios, um ritual para a consagração dos sacerdotes e critérios para distinguir o que é puro e o que é impuro.
           Este Livro trata das leis sobre o culto divino.


4º Livro - Números

           Este livro se chama Números porque começa com um grande recenseamento do povo hebreu no deserto.
           Para os hebreus, a saída do Egito foi uma lenta e penosa caminhada em busca de uma terra. Neste livro a caminhada se transforma em majestosa marcha organizada de todo um povo, como uma procissão ou um exército. As tribos de Israel estão todas presentes, formando os esquadrões de Deus, cada uma com o seu estandarte e avançando em rigorosa formação. No centro de tudo vai a arca da Aliança, que indica que, nessa caminhada, Deus está sempre no meio do povo.
Arca da Aliança
5º Livro - DEUTERONÔMIO - 

           A palavra grega Deuteronômio significa segunda Lei. Trata-se de uma representação e adaptação da Lei em vista da vida de Israel na Terra Prometida. A ideia central é que Israel viverá feliz e próspero na Terra se for fiel à aliança com Deus; se for infiel, terá a desgraça e acabará perdendo a Terra. Após relembrar o Decálogo, o livro mostra que o comportamento fundamental do homem para com Deus é o amor com todo o ser. A seguir, apresenta uma longa catequese, explicando o que significa viver esse amor em todas as circunstâncias da vida pessoal, social, política e religiosa. Essa catequese é apresentada sobretudo através das leis do Deuteronômio onde se procura ensinar ao homem como viver em sua relação com Deus, com as autoridades, com o outro homem, e até mesmo com os seres da natureza.


(Textos retirados de BÍBLIA SAGRADA: Edição Pastoral, 28. impressão. São Paulo: Paulus, 1998)


NO PRÓXIMO POST CONTINUAREMOS A ESCREVER SOBRE O LIVROS DO ANTIGO TESTAMENTO. AGUARDE!!

Um comentário: